Encontre seu filme!

domingo, 18 de setembro de 2011

Cinema Paradiso (1988)


Talvez, o fator que mais conquista as pessoas em "Cinema Paradiso" é o fato de ser um épico que consegue utilizar três gerações de um personagem só. A mágica de um dos maiores "coming-of-age" da história do cinema é causadora de nostalgia e porta uma grande carga emocional que não se apela para clichês ou cenas forçadas.

Salvatore é um cineasta consagrado que vive longe de sua cidade natal. Um dia, ele recebe a ligação de sua mãe e esta liga para avisá-lo que um tal de Alfredo havia falecido. Ao descobrir isto, uma série de lembranças vem a cabeça de Salvatore, pois Alfredo foi o responsável por Salvatore ter se apaixonado pela sétima arte.

O tratamento de Tornatore para com seu personagem principal, Salvatore, é dos mais belos e fiéis pois o amadurecimento e passagem de fases da vida dele conseguem conquistar o espectador sem desapontar, apesar de que a parte adolescente de Salvatore poderia ficar um pouco mais bem interpretada. Os três protagonistas(Salvatore Cascio, Martco Leonardi e Jacques Perrin) estão retratando seus personagens de forma convincente e não perdem o vínculo de personagem, óbviamente, com diferenças minúsculas mas nada que comprometa o resultado final.


Não perdendo a linha ou caindo em velhos clichês, Tornatore faz um retrato bem fiel de como seria a vida de um homem comum, esse é outro grande fator. Tudo o que Giuseppe nos mostra é comum e pode acontecer com qualquer um, mas ele não utiliza clichês para sensibilizar o espectador, o roteiro se mantém fixo e sem medo de errar.

O filme também é uma aula de personagens, pois vemos dos mais distintos, divertidos, charmosos e memoráveis personagens. O padre que cuida da edição para retirar as partes picantes do filme, o louco da praça que consegue arrancar boas risadas e Spaccafico, ganhador da loteria que teve um papel fundamental para o "Cinema Paradiso". Tornatore consegue dar um toque especial a cada personagem, se um deles vai aparecer em uma certa cena e somente nesta, este personagem consegue deixar seu momento marcado pelo seu carisma criado por Tornatore. O roteiro de Tornatore não tem como principal holofote a ideia apresentada, nem os diálogos, mas o desenvolvimento cauteloso e preciso de cada personagem.

Mais uma grande característica é a incrível trilha sonora de Ennio Morricone que, não é novidade, é um dos melhores compositores de todos os tempos. A trilha sonora que foi composta por ele e sua filha conseguem dar uma entonação e dão uma gigantesca força a emoção do filme. Os saxofones da orquestra são de causar arrepios quando combinados com as cenas mais emotivas do longa. Só pela trilha, é um grande filme.
A homenagem do filme é o cinema. O uso das salas de exibição, ao longo do filme, são responsáveis belas sequências mais emocionantes, destacando-se a final que consegue nos fazer derramar várias lágrimas. Além disso, os personagens utilizam a sala de cinema como um refúgio de suas vidas sofridas, pois lá elas podem esquecer de seus problemas por algum tempo. Apesar de Salvatore não ter ficado com quem ele tanto amava, o cinema seria a única coisa que não iria julgá-lo ou abandoná-lo e foi isso que Tornatore quis mostrar, o cinema não é exclusivo, ele sempre está aberto a mais fãs ou pessoas que apenas se divertem ao entrar em alguma sala de exibição. Essa é a essência de "Cinema Paradiso".

"O cinema não tem fronteiras nem limites. É um fluxo constante de sonho." (Orson Welles)

Nota: 10.0




6 comentários:

  1. Obra-Prima, o melhor Tornatore. Abs!

    ResponderExcluir
  2. Bom filme, uma homenagem ao cinema, sem dúvida ;)

    ResponderExcluir
  3. Pow, meu! É um buraco na minha vida cinéfila! Tenho que ver, e é uma vergonha ter que admitir que ainda n vi.

    Abs e apareçam!


    Victor Ramos

    ResponderExcluir
  4. Um dos meus preferidinhos! *-*

    A maior homenagem ao cinema. É impossivel um cinéfilo assistir e nao se emocionar.

    ResponderExcluir
  5. Eu vi este filme com uns 12 anos e me apaixonei instantaneamente! Uma obra-prima! XD

    ResponderExcluir
  6. Uma lagrima? eu chorei rios, rs...

    Engracado que foi exatamente com a ultima cena. Ate entao todos tinham me falado que ia chorar com Cinema Paradiso ai pensei: bom nao eh tao assim...

    E nos ultimos 2 minutos comeco a chorar sem parar.

    Mas eh um filme lindo de fato. Poetico tanto pela sensibilidade dos personagens quanto da trilha sonora.

    Abs!

    ResponderExcluir